top of page
credencialvieira.jpg
  • Foto do escritorassociacao santiago

Uma Cruz hoje, um altar a outros deuses. O Caminho tem magia além do que você imagina...

Vamos voltar no tempo? Voltar no tempo no Caminho de Santiago é voltar ao que seria esta rota antes da era cristã.


Vamos retroceder então em 1800 anos. E depois a mais de 3.200 anos. Sim, o Caminho é uma localidade sacra quando nem se pensava no apóstolo.


Imagine um local onde , por observação prática, a qual por vezes e vezes, até passando dias frequentando, é notado um comportamento diferente nos peregrinos e peregrinas. Pessoas soltam energia emocional descomunal nesta localidade. E mesmo sem saberem mais sobre ela. Simplesmente a passagem pela Cruz de Ferro é um marco com esta surpresa. Porque? O que sabemos é que sempre foi. O sempre que digo é ... antes dela ser o que temos como localidade do Caminho na matriz religiosa atual.




Se estar no Caminho é voltar a idade média, estar lá também é participar de rituais com motivos completamente apagados que seguem sendo feitos até hoje


O Caminho de Santiago remonta a milênios. Não a um milênio como lemos hoje. O que temos hoje é o atual capítulo final desta localidade de importância impar para a humanidade.


A Cruz de Ferro remonta a estas épocas. Muitos colocam a fé hoje fechada no que nos contam e escrevem. E trazer uma leitura destas simplesmente expande a informação que você tem sobre o Caminho de Santiago. Ele não é somente o que pensamos.


Hoje como uma localidade cristã, é sabido que o sincretismo se faz mais uma vez presente nesta rota milenar.


Um altar a Mercúrio.Ou Hermes...


Pasmem... o ritual não é um ritual cristão. A localidade já tinha o ritual mas para outro deus... Mercúrio, deus dos caminhos, das conexões. A Cruz de Ferro já trazia da era pré cristã o costume de depositar por homenagem, pedido ou agradecimento , não se sabe, um objeto ou mesmo pedra no local. Nós repetimos isso, e possivelmente estamos fazendo um ritual com motivos e energias diferentes. Mas seguimos fazendo.E no mínimo... a coisa ainda vai mais longe.


E isso porque estamos falando da matriz religiosa romana ( que por sincretismo, reforma nomes e aparências dos deuses gregos) ... então, voltando mais ainda no tempo, as coisas ainda mudam mais.


Chamado de Hermes pelos gregos, Mercúrio é filho do deus Zeus e da ninfa Maia e irmão de Apolo. Por ter gênio para a permuta desde o nascimento, Mercúrio é também o deus do Comércio. Seu talento com as palavras rendeu-lhe o título de deus da eloquência e a função de mensageiro de Zeus.


A Cruz de Ferro era já uma localidade Celta. Podemos voltar os rituais a milhares de anos, pois como os cristãos, os romanos também abocanham os celtas. E estes não estão somente na Galícia como pensam. Eles eram praticamente a totalidade da península ibérica. Estamos agora falando de no mínimo 3.200 anos.


Mas a cultura celta, esta foi apagada e sobreposta por mais povos, o que a torna mais indecifrável, apesar de seus símbolos estarem até hoje esculpidos nas pedras do Caminho.




Por qualquer sentimento ou crença, leve sua pedrinha... deposite com seus sentimentos, mas tente levar em conta que os motivos vem de você, entregues a uma localidade de existência muito própria e mais antiga. Uma localidade em que observamos as maiores energias agindo em peregrinos em TODO o Caminho de Santiago.



823 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page